terça-feira, 3 de maio de 2016

Comportamento Sexual e Análise do Comportamento: breve introdução


Vamos falar um pouquinho sobre este tema que, infelizmente, ainda é tratado como tabu e muita polêmica numa visão analítico-comportamental: Sexo

É comum imaginar que o comportamento sexual é determinado apenas ou principalmente pelo nível biológico, posto que se trata de um comportamento estritamente relacionado com a reprodução (logo transmissão genética e sobrevivência de espécies). No entanto, assim como diversos outros comportamentos, sexo envolve todos os três níveis de seleção: filogênico, ontogênico e sociogênico.


O nível filogenético pode ser reduzido, de modo didático, a determinação genética dos órgãos envolvidos, não restritos as genitálias, afinal é o organismo como um todo que está envolvido no comportamento sexual, como sistema respiratório e circulatório, não apenas reprodutor. Agora, de modo mais específico, há uma série de respostas inatas envolvidas no processo, como ereção peniana e critoriana, aumento da circulação sanguínea na região genital, lubrificação vaginal, respiração ofegante etc. Deste modo, estímulos incondicionados como contato tátil nas regiões erógenas eliciam tais respondentes emocionais.

A nível ontogenético, seguindo os exemplos anteriores, alguns estímulos neutros (quarto escuro), após sucessivas apresentações pareadas aos estímulos incondicionados (contato tátil), podem adquirir função eliciadora de mesmas respostas (excitação sexual). Assim, o condicionamento clássico explica como pessoas podem ficar excitadas sobre controle de estímulos arbitrários aos envolvidos nos reflexos emocionais. Ou seja, condicionamento pavloviano pode nos ajudar a compreender certas parafilias[1].

Imagem referente ao filme "Love"

Além dos comportamentos respondentes, atos sexuais envolvem uma série de comportamentos operantes, que são selecionados a partir de modelagem e modelação. Ou seja, algumas pessoas podem aprender a desempenhar determinada performance sexual devido a exposição direta (tentativa-e-erro) enquanto outra pessoa pode aprender determinada performance a partir de modelos visuais ou leituras sobre o que fazer. Caso os comportamentos emitidos sejam adequados a interação social, a outra pessoa reforçará este comportamento de modo intencional ou não. Por exemplo, a pessoa pode emitir gemidos de prazer que, por sua vez, funcionam como estimulo reforçador para determinada performance sexual da outra pessoa.

O nível sociogenético envolverá a sutileza do controle social. Os grupos sociais disporão de diversos modelos e regras de conduta desejáveis a que as pessoas se submetessem. Tais modelos e regras podem envolver desde tabus religiosos, como castidade e orientação sexual, como refinamentos performáticos, como uso de fantasias e meios não convencionais de prazer, como bondage[2].

Imagem referente ao filme "Ninfomaníaca", exemplo de bondage.

Deste modo, ao relacionarmos todos estes três níveis de seleção do comportamento, temos repertórios sexuais muito singulares e diversificados. Assim, cada ato sexual será um evento único no universo, tanto devido às singularidades de cada pessoa como à existência evanescente do comportamento. No entanto, devido a uma série de condições sociais e interpessoais, diversas queixas sexuais chegam às clínicas de psicologia e, nem sempre, há profissionais capazes de entender e intervir diante de tal fenômeno. Assim, esperamos que a postagem tenha aberto caminhos para compreensão analítico-comportamental do ato sexual de modo didático e que tenham criado interesse de estudar sobre a sexualidade e terapias sexuais.


Finalizo com um pedido de desculpas caso tenha achado esta postagem curtinha demais. Mas, entenda, como trata-se de um tema delicado, é necessário cautela (o que inclui escolha seletiva das imagens). Sendo assim, caso seja de seu interesse que haja mais postagens sobre o assunto, é só dar um feedback positivo. Se tiver curiosidade sobre determinada queixa sexual, podemos pensar numa postagem específica. Se tem interesse sobre viés cultural influenciando o comportamento sexual, também podemos pensar no assunto. Até mais!




[1] Parafilias podem ser definidas como padrão de comportamento sexual cuja obtenção de prazer não está diretamente relacionado a cópula, mas numa atividade alternativa.
[2] Bondage é um fetiche específico relacionado a práticas que envolvem imobilização e podem não envolver copula

4 comentários:

  1. Poderia me indicar alguma bibliografia da análise comportamento referente a sexualidade. Qual a concepção de sexualidade na filosofia behaviorista e como é trabalhada, o que aparece, digamos assim, na clinica analítico comportamental.

    ResponderExcluir
  2. Se puder mandar no meu e-mail wevertonbicalho@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. GOSTEI DO ARTIGO, POIS TUDO QUE QUEBRA TABU EU APOIO

    ResponderExcluir
  4. temática extremamente importante para ser discutida, muito bacana.
    em um próximo artigo poderia se tratar do controle sexual que advém da sociedade e molda as formas de se praticar o comportamento sexual.

    ResponderExcluir